Flamengo
Página Inicial
História do Flamengo
Craques
Notícias Flamengo
Grandes elencos
Jogos imortais
Sala de Troféus
Vídeos do Flamengo
Títulos do Flamengo
Estatísticas
Crônicas
Cronologia
Curiosidades
Escudos
Uniformes
Donwloads
Hino do Flamengo
Mascote
Sedes
Letras de músicas
Frases famosas
Links
Mural da torcida
E-mail

 

Arthur Antunes Coimbra - Zico

 

Informações pessoais
Nome completo Arthur Antunes Coimbra
Data de nasc. 3 de Março de 1953 (55 anos)
Local de nasc.Rio de Janeiro, RJ
Altura1,72m
Peso72kg
ApelidoZico
Galinho
White Pelé (Pelé Branco, Europa)
Deus (Torcida do Flamengo)
God Soccer Phi (Deus do Futebol, Japão)
Kral Arthur (King Arthur, Turquia)
(ill Messia e Rei de Udine, Itália)
Clubes de juventude
1967-1971 Flamengo
Clubes profissionais
AnosClubesJogos (gols)
1967-83
1983-85
1985-89
1991-94
Flamengo
Udinese
Flamengo
Kashima Antlers
637 (438)
79 (56)
94 (30)
88 (54)
Seleção nacional
1976-89 Brasil94 (68)
Times que treinou
AnosClubesJogos
1999
???
2002-06
2006-08
2008-2009
2009

2009

Kashima Antlers
CFZ
Japão
Fenerbahçe
Bunyodkor
CSKA Moscou

 

15 (10V, 02E, 03D)
 3 (00V, 03E, 00D)
72 (38V, 15E, 19D)
117 (71V, 28E, 07D)
13 (10V, 01E, 02D)
0 (00V, 00E, 00D)

Zico, (Rio de Janeiro, RJ, 3 de março de 1953) que se notabilizou a partir da conquista da Taça Libertadores da América e do Campeonato Mundial de Clubes pela equipe carioca do Flamengo, e em suas participações pela Seleção Brasileira nas Copas de Argentina 1978, Espanha 1982 e México 1986. Foi treinador do Fenerbahçe, da Turquia, e da seleção japonesa na Copa da Alemanha 2006. É o atual treinador do CSKA Moscou da Rússia.

Biografia

É considerado por muitos especialistas, profissionais do esporte e, em especial, pelos torcedores do Flamengo, o maior jogador brasileiro desde Pelé e o maior jogador da história do Flamengo, onde atuou durante a maior parte de sua carreira, entre 1967 e 1989, com uma interrupção entre 1983 e 1985 período em que esteve na Itália, jogando pela Udinese. Não são poucos, também, os que o consideram como o melhor jogador de futebol dos anos 80, sendo chamado freqüentemente de "Pelé Branco".

É o maior artilheiro da história do estádio do Maracanã, com 333 gols em 435 partidas. Marcou 135 gols em campeonatos brasileiros.

No Flamengo, Zico liderou a conquista de quatro títulos nacionais, em 1980, 1982, 1983, 1987, da Taça Libertadores da América e do Mundial Interclubes, em 1981, dentre diversos outros títulos, no período chamado de "Era Zico". Por conta disso, é o maior ídolo da torcida do Flamengo e da história do clube.

No Mundial Interclubes de 1981, o título mais importante do Flamengo, Zico e todo a equipe tiveram uma exibição primorosa contra o Liverpool, reconhecido pela imprensa como o "Rei da Europa da década", tendo conquistado, entre 1973 e o jogo contra o Flamengo, cinco Premier League e três Liga dos Campeões da UEFA. Ao ser indagado sobre o favoritismo dos britânicos, Zico teria dito: "Eles são favoritos sim, mas para o segundo lugar, o que é até muito honroso".

Foi eleito como o terceiro maior jogador brasileiro do século XX e o décimo quarto entre todos, segundo a FIFA. É um dos quatro brasileiros a figurar no Hall da fama da FIFA (os outros são Pelé, Garrincha e Didi). Foi eleito o nono maior jogador do século XX pela revista France football,e o nono Brasileiro do Século no esporte, segundo pesquisa realizada pela revista IstoÉ. É aclamado como "Deus" no Japão e Rei na Turquia e tem uma estátua em cada um desses países.Na Italia é chamado de Rei de Udine e de ill messia.

Família

Zico descende de portugueses tanto pelo lado materno como pelo lado paterno. O seu avô materno, Arthur Ferreira da Costa Silva era de Oliveira de Azeméis e emigrou para o Rio de Janeiro nos últimos anos do século XIX. Estabeleceu-se com uma fábrica de cerâmica no bairro d Quintino. A mãe de Zico, Matilde Ferreira da Costa Silva (19 de Janeiro de 1919 - 17 de Novembro de 2002), nasceu já no Brasil.

O avô paterno, Fernando Antunes Coimbra, nasceu e viveu a maior parte da sua vida em Tondela. É aí que nasce José Antunes Coimbra (10 de Junho de 1901 - 12 de Novembro de 1986), que viria ser o pai do jogador. José Antunes Coimbra, aos 10 anos de idade, juntamente com sua família, emigra para o Brasil. Ainda que tenha saído de Portugal muito jovem, José sempre guardou uma grande ligação ao seu país de origem. Era, aliás, adepto do Sporting CP, porquanto seguiu durante grande parte de sua vida os relatos dos jogos de seu clube através da rádio.

Matilde Ferreira da Costa Silva e José Antunes Coimbra conheceram-se em 1926, José Antunes tinha 25 anos e era motorista na fabrica de cerâmica do pai de Matilde; esta tinha apenas sete anos de idade. Casaram 17 anos depois, em 1943; ela com 24 anos, ele já com 42. Do casamento nasceram seis filhos, todos homens: Zezé (falecido em 8 de Janeiro de 1997), Zeca, Nando, Edu e Tunico, e finalmente Zico.

Zico nasceu na rua Lucinda Barbosa, número 7 em Quintino, às 7h00 de parto natural. O nome Arthur foi escolhido pela mãe por causa de seu avô (que viria a falecer um ano depois).

Zico conheceu Sandra Carvalho de Sá em 1969, que vem a ser irmã de Sueli, a esposa de seu irmão Edu. Em 23 de Agosto de 1970, Zico e Sandra começam a namorar e casam-se em 18 de Dezembro de 1975 na igreja de São José, na Lagoa. Zico e Sandra têm três filhos: Arthur Antunes Coimbra Júnior (nascido a 15 de Outubro de 1977), Bruno de Sá Coimbra (nascido a 16 de Outubro de 1978) e Thiago de Sá Coimbra (nascido a 6 de Janeiro de 1983).

O início de sua carreira

Zico jogava num pequeno time de futebol de salão formado por amigos e familiares, o Juventude de Quintino, do bairro de Quintino Bocaiúva, na zona norte do Rio de Janeiro. Além do Juventude, ele passou a praticar o esporte conhecido hoje como futsal no Ríver Futebol Clube, tradicional clube da Piedade, onde um dos professores era Joaquim Pedro da Luz Filho, Seu Quinzinho. No Ríver, seu futebol ainda menino chamou a atenção. Mas seu primeiro clube de futebol de campo foi o Flamengo, para onde se transferiu aos catorze anos de idade, quando em 1967 o radialista Celso García, amigo da família, assistiu uma partida de Zico em um torneio no River Futebol Clube, onde jogava com a camisa do Santos, e o levou para a escolinha de futebol do clube. Zico só estreou no time principal em 1971, em uma partida contra o Vasco da Gama, cujo placar terminou 2 a 1 para o time rubro-negro. Zico só foi se firmar como titular na equipe em 1974, depois de passar por uma intensa preparação física, devido ao corpo antes franzino. E devido ao seu franzino corpo de início de carreira e de seu bairro de origem (Quintino) ganhou o carinhoso apelido de "Galinho de Quintino".

Seleção Brasileira

Atuou pelo Brasil de 1976 a 1986, tendo marcado 66 gols em 89 partidas e perdido uma única partida no tempo normal de jogo, contra a Itália, no estádio do Sarriá, na Copa da Espanha, em 1982. Participou das Copas do Mundo de 1978, 1982 e 1986. Sua estréia na Seleção ocorreu numa excursão no qual o Brasil enfrentou países sul-americanos. Fez belos gols de falta e assumiu a condição de maior esperança do Brasil após o término da carreira de Pelé. Sua participação na Copa de 1978, contudo, foi curta, tendo sido encerrada logo na primeira fase após sofrer uma grave contusão muscular, contra a Polônia.

Seu auge foi na Copa de 1982, mas acabou vendo frustrada mais uma vez a sua vontade de ganhar uma Copa, quando o Brasil foi eliminado pela Itália. Marcado de perto pelo zagueiro Claudio Gentile, o Galinho chegou a ter sua camisa rasgada em um puxão dado pelo italiano dentro da grande área, mas o árbitro incrivelmente ignorou o lance e não marcou pênalti.

Na sua última chance de ser campeão de uma copa como jogador, em 1986, Zico acabou sendo responsabilizado pela desclassificação de sua equipe diante da França, nas quartas-de-final do torneio. Na sua segunda partida na Copa, Zico fez um lançamento preciso e milimétrico para o jogador Branco, que foi derrubado dentro da grande-área, tendo o juiz marcado penalidade máxima. Zico, lesionado, resolveu bater o pênalti já que seus companheiros se recusaram. O pênalti foi defendido pelo goleiro Bats no tempo normal de jogo, que acabou empatado em 1 a 1. Ele converteu sua cobrança na decisão por penalidades, mas a França venceu por 4 a 3. Michel Platini, pela França, e Sócrates e Júlio César, pelo Brasil, erraram suas cobranças.

Pela Seleção Pré-Olímpica, Zico foi durante o torneio classificatório para as Olimpíadas, um dos destaques da Seleção. Inclusive fez o gol da classificação, porém foi de maneira suspeita cortado dos jogos.

Na Copa do Mundo de 1990, o técnico Sebastião Lazaroni, chegou a conversar com Zico se o jogador não poderia repensar a sua decisão de não disputar a Copa. Com outros planos, o Galinho optou por não jogar.

Udinese

Quando Zico chegou na Udinese, seu futebol de craque e o exemplo de humildade e de simplicidade levaram a redescobrir o charme discreto e a humanidade de Udine. Suas qualidades deram status e vida a uma cidade quieta e silenciosa demais. Quem sintetizou de forma mais aprimorada a grande metamorfose operada por ele foi o jornalista italiano, do "Il Gazzettino de Veneza", profissional encarregado de seguir os passos do Galinho, Luigi Maffei.

Para nós, friulanos, Zico tem o mesmo significado de um motor da Ferrari colocado dentro de um fusca. Sentimo-nos os únicos no mundo a possuir um carro tão maravilhoso e absurdo.

Muito impressionante foi a repercussão da contratação do craque pela Udinese: "ou Zico ou Áustria".

Foi uma manifestação iniciada pela torcida do Udinese e por grande parte da população da cidade, em pé de guerra contra a realização dos dirigentes de Roma, que consideravam absurdo aprovar uma operação de quatro milhões de dólares, a maior até então do futebol italiano, para a contratação de um jogador.

Era muito nítida a mensagem da torcida e da população: sem Zico, eles preferiam voltar sob o domínio austríaco, situação que existiu no Friuli até 1866. Essa ameaça separatista foi levada muito a sério pelo então presidente italiano, Sandro Pertini, que interveio a favor da contratação de Zico.

Na sua chegada, duas mil pessoas o esperavam. Parecia quase um papa acenando para a multidão. O que poucos sabem no Brasil, é que Zico marcou muitos (e belos) gols pela Udinese. Em uma temporada ficou apenas um gol atrás do artilheiro, o francês Michel Platini (da Juventus), que havia jogado seis partidas a mais que o Galinho.

Em uma pesquisa realizada (novembro de 2006) pelo jornal italiano La Repubblica, sobre os maiores jogadores brasileiros na Itália, Zico aparece em primeiro. A pesquisa aponta os dez brasileiros que mais marcaram o futebol do país, são eles: Zico, Falcão, Kaká, Careca, Júnior, Ronaldo, Cerezo, Aldair, Cafu e Emerson.

A contusão

Zico retornou ao Flamengo em 1985, muito festejado pela torcida, mas, no mesmo ano, sua carreira sofreu um duro golpe. Em uma partida contra o Bangu, o jogador Márcio Nunes cometeu uma falta desleal, entrando com os dois pés no joelho direito de Zico. A jogada rompeu os ligamentos cruzados do joelho do jogador, que teve que se submeter a diversas operações e, segundo ele, "aprender a andar de novo". Mais tarde disse não guardar mágoas do zagueiro.

Política

De 1990 a 1991, durante o governo do presidente Fernando Collor, foi secretário Nacional de Esportes.

Japão

Em 1991, retornou ao futebol, para disputar o campeonato japonês. Seu retorno aos gramados, junto com outros jogadores famosos já aposentados ou em vias de se aposentar é hoje apontado como uma das maiores razões da popularização do futebol no Japão.

Em 1994, deixou definitivamente de atuar como jogador. No Japão ele atuou pelo Sumitomo Metals e pelo clube originado deste, o atual Kashima Antlers, de 1991 a 1994.

O Galinho ganharia também uma bela estátua em sua homenagem. Zico é muito reverenciado no Japão, e outra prova disso, é o apelido carinhoso "God Soccer" (Deus do Futebol) e "Pelé Branco".

Treinador

Apesar de ter sido várias vezes convidado a assumir cargos no Flamengo, Zico nunca aceitou. Especula-se que isso se deva em grande parte aos rumos tomados pelas administrações do clube carioca, que desde a época de Zico vêm gradativamente acumulando dívidas e maus resultados. Já disse que nunca quer ser técnico do Flamengo para não manchar essa imagem maravilhosa que tem com a torcida.

Seleção japonesa

A partir de Junho de 2002 exerceu o cargo de treinador da seleção japonesa de futebol até 2006. A seleção japonesa foi campeã da Copa da Ásia de 2004. E, apesar de ter sido a primeira classificada para a Copa do Mundo de 2006 na Alemanha, foi eliminada na primeira fase. Afirmou que fez o melhor que pôde pela seleção japonesa e que não se arrepende de nenhuma decisão que tomou.

Fenerbahçe

Após a Copa foi contratado para treinar a equipe do Fenerbahçe, da Turquia. Conduziu a equipe às quartas-de-finais da Liga dos Campeões da UEFA (2008-09), sendo esta a melhor participação do clube na principal competição européia de clubes.

Bunyodkor

Em 22 de Setembro de 2008, foi contratado para treinar a equipe Bunyodkor, do Uzbequistão, clube onde joga atualmente o meio-campo Rivaldo, o zagueiro Luizão e o atacante Villanueva. O contrato terá a duração de um ano. Também há a possibilidade de assumir o cargo de consultor da seleção uzbeque no final do ano. O treinador anterior do clube, Mirdjalol Kasymov, assumiu a seleção do país.

Em 28 de setembro, no jogo de estréia, a equipe venceu por 2 a 0, com gols de Villanueva e Kapadze, o Bukhara e passou a liderar o campeonato nacional uzbeque.

Em 22 de outubro, a equipe derrotou o Adelaide United da Austrália por 1 a 0 com gol de Soliyev aos 30 minutos do segundo tempo, mas foi eliminado na semifinal da Liga dos Campeões da Ásia. A partida anterior, em 8 de outubro, foi vencida pelos australianos por 3 a 0.

Em 31 de outubro, a equipe venceu por 3 a 1 (1 a 1 no tempo normal e 2 gols na prorrogação) o Pakhtakor em Tashkent e sagrou-se campeã do Copa do Uzbequistão de 2008. A equipe ainda continua disputando o Campeonato Uzbeque de Futebol de 2008 (Oliy League) e é seu atual líder com 7 pontos de vantagem para o 2º colocado, o mesmo Pakhtakor.

CSKA Moscou

Em 9 de janeiro de 2009 anunciou a troca do Bunyodkor pelo CSKA Moscou. Substituiu Valery Gassaev.

Estatísticas

Zico anotou 826 gols em toda sua carreira; 516 gols em partidos oficiais (Primeira divisão, Seleção Brasileira, copas nacionais e internacionais) e 310 em torneios não oficiais, Juvenil e amistosos.

TimeNúmero de GolsPartidasMédia
Flamengo - Escolinha (BRA)66880,83
Flamengo - Juvenil (BRA)37630,59
Flamengo - Profissional (BRA)5087310,69
Udinese (ITA)56790,71
Sumitomo/Kashima Antlers (JAP)54880,51
Seleção Brasileira Pré-Olímpica180,13
Seleção Brasileira Profissional66880,75
Seleção Brasileira de Masters10180,55
Seleção Carioca111
Jogos de Exibição49510,96
TOTAL82611800,7

Títulos

Flamengo

  • Mundial Interclubes: 1981

  • Copa Libertadores da América: 1981

  • Campeonato Brasileiro: 1980, 1982, 1983, 1987

  • Campeonato Carioca: 1972, 1974, 1978, 1979, 1979 (Especial), 1981, 1986

    • : Taça Guanabara: 1972, 1973, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1988, 1989

  • Troféu Ramón de Carranza 1979, 1980

  • Campeonato Quadrangular Infantil (1969)

  • Campeonato Carioca Infantil (1969)

  • Campeonato Carioca Juvenil (1972)

  • Torneio de Goiás (1975)

  • Torneio de Jundiaí (1975)

  • Torneio de Mato Grosso (1976)

  • Troféu Ciudad de Santander (1980)

  • Torneio de Nápoles (Flamengo 1981)

  • Taça Rio de Janeiro (1986)

  • Taça Euzébio de Andrade (1987)

  • Copa Kirin (JAP) (1988)

  • Troféu Colombino (1988)

  • Torneio de Hamburgo (ALE) (1989)

Seleção Brasileira

  • Torneio Pré-Olímpico (Seleção Brasileira, 1971)

  • Copa Roca (Seleção Brasileira, 1976)

  • Copa Rio Branco (Seleção Brasileira, 1976)

  • Torneio Bicentenário dos EUA (Seleção Brasileira, 1976)

  • Taça do Atlântico (Seleção Brasileira, 1976)

  • Taça Oswaldo Cruz (Seleção Brasileira, 1976)

  • Mundialito de Cáli (COL) (Seleção Brasileira, 1977)

  • Taça da Inglaterra (Seleção Brasileira, 1981)

  • Taça da França (Seleção Brasileira,1981)

Seleção Brasileira Masters

  • Copa do Craque (Seleção Brasileira Masters, 1990)

  • Copa Pelé (Seleção Brasileira Masters, 1991)

Seleção Brasileira de Futebol de Praia

  • Mundial de Futebol de Praia (2) (Seleção Brasileira, 1995 e 1996)

  • Copa América de Futebol de Praia (2) (Seleção Brasileira 1995 e 1996)

  • Torneio Internacional de Futebol de Praia (JAP) (Seleção Brasileira)

Udinese

  • Torneio Quadrangular de Udine (Udinese, 1983)

Kashima Antlers

  • Copa Muroran (JAP) (Kashima Antlers, 1992)

  • Copa Suntory (1ª fase) (JAP) (Kashima Antlers, 1993)

  • Meiers Cup (JAP) (Kashima Antlers, 1993)

  • Pepsi Cup (JAP) (Kashima Antlers, 1993)

Como técnico

  • Copa da Ásia (Seleção Japonesa, 2004/05)

  • 1º lugar nas eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo da Alemanha (Seleção Japonesa, 2006)

  • Campeão da Turquia (Fenerbahçe, 2007)

  • Copa do Uzbequistão (Bunyodkor, 2008)

  • Campeonato Uzbeque (Bunyodkor, 2008)

Prêmios

  • Melhor Jogador do Futebol Brasileiro nos últimos 30 anos - Rede Globo / Esporte espetacular (BRA) - (2003)

  • Melhor jogador das Américas eleito pelo jornal"El Mundo" (VEN) - (1977)

  • Melhor jogador das Américas eleito pelo jornal"ElMundo"(VEN)-1981

  • Melhor jogador do mundo eleito pelo"El Mundo"(VEN),"Guerin Esportivo" (ITA), "El Balón" (ESP),e revista "Placar" - (1981)

  • Melhor jogador da final do mundial interclubes (1981)

  • Melhor jogador das Américas eleito pelos jornais "El Gráfico" (ARG) e "El Mundo" (VEN) - (1982)

  • Chuteira de bronze - Copa do Mundo - (1982)

  • craque do time das estrelas da copa do mundo - 1982 ( World cup all-star team player ) - (1982).

  • Melhor jogador do mundo eleito pela revista inglesa "World Soccer" - (1983)

  • Premio Chevron " Melhor jogador do Campeonato Italiano " - (1983/84)

  • Melhor drible do Fifa Street 2 - "Ginga" - (2006)

  • Bola de Prata - Revista Placar - (1987)

  • Bola de Prata - Revista Placar - (1982)

  • Bola de Ouro - Revista Placar - (1982)

  • Bola de Ouro - Revista Placar - (1980)

  • Bola de Prata - Revista Placar - (1977)

  • Bola de Prata - Revista Placar - (1975)

  • Bola de Prata - Revista Placar - (1974)

  • Bola de Ouro - Revista Placar - (1974)

  • Melhor jogador da "Copa do mundo" de futebol de praia - ( 1995 )

(Não estão computadas neste capítulo do artigo, os prêmios de Bola de Prata - Revista Placar para artilheiro. Zico é o recordista de prêmio com 5 Bolas de Prata, 3 Bolas de Ouro e 2 Bolas de Prata de Artilheiro. No total são dez prêmios ao longo da sua participação no Campeonato Brasileiro.)

Gol 500

Zico marcou o seu 500º gol em 15 de março de 1981, no jogo que o Brasil venceu a França por 3 a 1, no Estádio Parc des Princes em Paris na França.

Recordes

  • Aos 23 anos,Zico já havia se tornado o maior Artilheiro da história do flamengo, com quase 300 gols.

  • Recorde de gols pelo Flamengo em uma só temporada - 49 gols - 1974

  • Recorde de gols pelo Flamengo em uma só temporada - 56 gols - 1976

  • Marcou 81 gols em 70 partidas com a camisa do Flamengo - 1979

  • Artilheiro da temporada no Brasil - 59 gols - 1982

  • Recorde de gols em partidas seguidas no Campeonato Japonês - 11 gols em 10 jogos seguidos - 1992

  • Maior artilheiro de todos os tempos do Estádio Mário Filho (Maracanã)

  • Maior vencedor de todos os tempos do prêmio Bola de Prata/Bola de Ouro da Revista Placar.

Artilharia

  • Campeonato Carioca de Escolinha - 26 gols - 1970

  • Campeonato Carioca Infantil 1 - 9 gols - 1971

  • Campeonato Carioca Profissional - 30 gols - 1975

  • Taça Guanabara - 10 gols - 1975

  • Campeonato Carioca - 27 gols - 1977

  • Campeonato Carioca - 19 gols - 1978

  • Campeonato Carioca - 26 gols - 1979

  • Campeonato Especial - 34 gols - 1979

  • Torneio Ramón de Carranza - 3 gols - 1979

  • Torneio Ramon de Carranza (ESP) - 2 gols - 1980

  • Torneio de Santander (ESP) - 3 gols - 1980

  • Campeonato Brasileiro - 21 gols - 1980 (rendendo também o prêmio de Bola de Prata da Revista Placar)

  • Taça Libertadores da América - 11 gols - 1981

  • Torneio de Nápoles (ITA) - 4 gols - 1981

  • Campeonato Brasileiro - 21 gols - 1982 (rendendo também o prêmio de Bola de Prata da Revista Placar)

  • Taça Guanabara - 12 gols - 1982

  • Campeonato Carioca - 21 gols - 1982

  • Campeonato Italiano - 19 gols- 1983

  • Campeonato Japonês - 21 gols - 1992

  • Artilheiro do mundial do Mundial de praia - 12 gols - 1995

Despedidas

Seleção Brasileira: "O fim de uma era"

A última vez do galinho com a amarelinha aconteceu em 27 de março de 1989 num jogo entre a Seleção Brasileira e uma equipe representando o Resto do mundo. A equipe do Resto do mundo venceu, por 2 a 1, o Brasil. O jogo foi realizado no Estádio Friuli em Udine na Itália com o público de 41.000 pessoas e o evento foi promovido pela comissão italiana da Copa do Mundo de 1990.

Flamengo: "O ensaio"

A despedida do maior ídolo e artilheiro da história do Flamengo e do Maracanã é marcada, em 6 de janeiro de 1990, por um jogo em que o Flamengo e a Seleção de craques nacionais e internacionais "World cup master" empataram em 2 a 2. O jogo foi realizado no seu palco principal, o Maracanã e teve um público de 150 mil pessoas, sendo 90 mil pagantes.

Kashima Antlers: "O adeus definitivo"

Em 10 de outubro de 1994, "God Soccer" como é conhecido por lá, despediu-se em definitivo do futebol japonês e mundial num evento promovido pelo clube Kashima Antlers, num jogo em que enfrentou um combinado de estrangeiros que atuavam no futebol japonês. O jogo terminou empatado em 4 a 4 e o público foi de 38 mil pessoas, capacidade máxima do estádio.

Nas Artes

TELEVISÃO

Telenovelas

  • Feijão Maravilha ( Rede globo - 1979 )

  • Celebridades ( Rede globo - 2004)

Programas

  • Caceta e Planeta ( Rede globo, Humor - 2007 )

  • A grande família ( Rede globo, Humor - 2008 )

Comercial

  • Coca - cola (1982)

  • Energil - c (2008)

TEATRO

Participação na peça "Histórias com tortilhas", com Pepita Rodrigues - 2008.

LIVROS

  • Zico A história do maior artilheiro rubro negro (Revista, RGE-1976 )

  • Zico uma lição de vida -1 ( Autor: Marcos Vinícius Bucar Nunes - 1986 )

  • Deixa que eu chuto ( Autor: Renato Maurício Prado - 1998 )

  • Zico conta sua história ( Autor; Zico - 1998 )

  • Zico: Paixão e Glória de um ídolo (Autora: Lúcia Rito - 2000 )

  • Zico 50 anos de futebol ( Autor; Zico,Roberto Assaf e Roger Garcia - 2003 )

  • Flamengo - O vermelho e o negro (Autor: Ruy Castro 2004 )

  • Zico uma lição de vida - 2 (Autor: Marcos V. B. Nunes - 2006 ) sucesso de vendas, Eua e Japão

  • Os Reis do futebol Brasileiro ( Autor:Antonio Falcão - 2006 )

FILMOGRAFIA

  • A vida do jogador Zico, uma lenda do nosso futebol ( Documentário, década de 80 )

  • Zico um gênio da bola ( Documentário, década de 90 )

  • Os mais belos gols de Zico ( Documentário, Década de 90 )

  • Uma aventura do Zico ( infantil - 1998 )

  • Zico - O filme ( Documentário sobre a vida e a carreira do craque - 2003 )

  • Mitos do futebol (Miti - Documentário Italiano do jornal La Gazeta dello Sport - 2008)

  • Zico o galinho de ouro do Brasil ( Documentário, coleção grandes craques - Placar 2009 )

DISCOGRAFIA

  • Batuquê de Praia e cantos do rio ( Compacto, Zico e Fagner - 1982 )

  • Reedição devido a grande procura ( Compacto, Batuquê de Praia e Cantos do rio - 1983 )

  • O mundo é verde e amarelo ( Zico e Seleção Brasileira - 1986 )

Homenagens

MÚSICA

  • Camisa 10 da Gávea ( Jorge Ben Jor - 1976 ), um pouco depois a cantora , Maria Alcina regravou este sucesso.

  • Saudades do galinho ( Moraes Moreira - 1983 )

  • Galinho de briga ( Fagner, tema do filme - Uma aventura do Zico - 1998 )

  • Bola no pé ( Fagner, tema do filme - Zico , O Filme - 2003 )

  • Kamisama " O Senhor Deus " ( Banda de Heavy Metal - Eyes of shiva - 2006 )

TEATRO

  • O dia em que Zico virou Rei ( Grupo de teatro do nordeste , Década de 90 )

Curiosidades

  • Existe uma banda na Inglaterra chamada Zico. "Zico chain" é o nome da banda, que foi fundada em 2005 e ganhou repercussão na Europa em 2007, com o albun Food.

  • Durante o seu curto, porém bem sucedido período na Itália, Zico foi muito aplaudido e teve por várias vezes o seu nome gritado e cantado inclusive pelas torcidas adversárias. Fato que ocorreu contra o Ascoli, Gênoa, Milan e Catania. Contra o Ascoli, torcedores, repórteres e até o goleiro adversário o aplaudiram. Em Gênoa o estádio inteiro cantou o seu nome e em Catania os torcedores do time rival não só gritavam e cantavam o seu nome como também torciam por ele. Todas as vezes que ele tocava na bola era ovacionado e quando surgia uma falta próximo a área eles clamavam para que Zico a cobrasse. Ao terminar a partida, o jogador brasileiro Pedrinho foi indagado por um repórter: vocês poderiam ter vencido o jogo? E ele respondeu: como poderíamos se até a nossa torcida estava torcendo pelo Zico!

  • Zico foi o único Brasileiro, além de Pelé a ser o melhor jogador do mundo atuando por um clube do Brasil, (Flamengo - 1981).


Última atualização: 27/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site